Arquivo de etiquetas: comorbidades

TDAH e Memória Prospectiva

Memória prospectiva é a memória do que ainda vai acontecercompromissos agendados para o futuro, como consultas médicas, compromissos sociais, reuniões de trabalho, etc.

TDAH e Memória ProspectivaPessoas com TDAH têm problemas com a memória prospectiva e sem um lembrete do que precisam fazer, na maioria das vezes, elas simplesmente esquecem.

Quem convive com pessoas com TDAH, pode achar difícil de compreender isso, especialmente porque em alguns aspectos, as pessoas com TDAH podem ter uma habilidade incrível para lembrar fatos aleatórios.

Continuar a lerTDAH e Memória Prospectiva

TDAH no Adulto – Estudos Recentes

NO ADULTO – O QUE DIZEM OS ESTUDOS RECENTES

Apesar do TDAH ter sido descrito pela primeira vez há mais de um século, estudos científicos ganharam força a partir dos anos de 1960, a exemplo de todas as questões médicas relativas ao funcionamento cerebral.

Sabe-se que no princípio, o TDAH era atribuído a uma disfunção da infância, portanto, ao longo dos anos as pesquisas científicas se debruçavam sobre esta população. Porém, nos últimos anos uma grande quantidade de estudos sobre TDAH têm sido focados na população adulta.

Este artigo resume os principais achados científicos sobre o TDAH no adulto (preferencialmente não diagnosticado e ou não tratado), em pesquisas e estudos recentes feitos no mundo todo.

ESTATÍSTICAS

Sabe-se que cerca de 2/3 das crianças com TDAH, seguem com os sintomas do transtorno na vida adulta. Nesta população, a taxa de agregação familiar (pais e/ou filhos que também têm o transtorno) é maior do que naqueles que entram em remissão.

TDAH Estatísticas

Estudos apontam que 4,4% dos adultos, em todo o mundo, têm TDAH com quadro completo de sintomas.

Na questão de gênero, ao contrário dos relatos clínicos do TDAH em crianças, a relação de homens / mulheres com TDAH é de 1:1.

Continuar a lerTDAH no Adulto – Estudos Recentes

TDAH e Funções Executivas | Onde tudo começa

O déficit de atenção é visto como um déficit na modulação da atenção – como se sabe, pessoas com TDAH – distração e desatenção conseguem prestar atenção, muitas vezes de extrema intensidade, chegando a um hiperfoco. Entretanto, enfrentam problemas com controle voluntário e auto-direcionado do foco. Já a hiperatividade representa um déficit em inibição motora, assim como a impulsividade está relacionada a uma inibição pobre dos impulsos.

O centro de Comando e Controle do Cérebro

Todos nós precisamos de um conjunto de competências para dar conta da nossa vida, das responsabilidades e compromissos e fazer uso dos recursos disponíveis. Alguns bons exemplos são organização, gerenciamento do tempo, controle das emoções e da impulsividade, estabelecimento de objetivos, planejamento, etc.

TDAH Funções Executivas

Estas competências são conhecidas como Funções Executivas, por estarem diretamente ligadas à gestão dos recursos pessoais e à sua utilização tendo em vista alcançar algum objetivo. É possível entender melhor estas funções comparando-as a um administrador ou gerente de um sistema complexo – no caso, nós mesmos. Estas funções tornam possível lidar com tarefas e resolver problemas como preparar uma palestra, planejar uma viagem ou consertar um brinquedo, por exemplo.

Continuar a lerTDAH e Funções Executivas | Onde tudo começa

Burnout! Esgotamento mental não é frescura

Burnout

Em inglês, o termo Burnout é definido como aquilo que deixou de funcionar por absoluta falta de energia.
Entenda porque a OMS (Organização Mundial de Saúde) colocou o Burnout como uma das principais doenças dos europeus e norte-americanos, ao lado do diabetes e das doenças cardiovasculares.
As consequências mais imediatas são falta de atenção, dificuldade de memória, perda de concentração, pensamento mais lento, desânimo, alterações no sono e, é claro, cansaço – excessivo e crônico.
Entenda mais sobre o Burnout neste artigo do site “Revista Pazes”.

Continuar a lerBurnout! Esgotamento mental não é frescura

A auto-estima das pessoas com TDAH

Escrito por ABDA

O TDAH é reconhecido como o transtorno que mais afeta, negativamente, a auto-estima de seus portadores. Crianças e adultos com TDAH são particularmente mais vulneráveis a baixa auto-estima do que as outras pessoas.

tdah_criancaIsto se deve em parte porque, ao contrário de alguns distúrbios, pessoas com tdah não conseguem esconder que têm o transtorno. No colégio, no trabalho, no parque, e nas ocasiões de convivência em geral, a impulsividade do tdah o denuncia rapidamente, e seu comportamento é imediatamente reconhecido como ‘inconveniente’, expondo-o a uma situação de embaraço. Por outro lado, as respostas vindas do meio externo (família, colegas de classe ou trabalho, professores, chefes, etc.), frequentemente são de critica, repressão, descrédito ou chacota.

Continuar a lerA auto-estima das pessoas com TDAH